quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

A VERDADEIRA ESTRELA DO NATAL

Dizem que uma estrela guiou Baltasar, Melchior e Gaspar até o local que Maria teve Jesus. Graças a ela, ele recebeu ouro, incenso e mirra, que representavam a nobreza, fé e o sacrifício. A estrela deixou Jesus homem antes que pudesse ser criança. Por isso o natal é para todos: porque, homem, ele é todas as idades e sexos. Mas acho que a verdadeira estrela é outra, é a minha. É porque acho que Natal não é para todos: é para a criança.

Natal feliz tem presente, tem brinquedo, mesmo que o brinquedo que se queira não tenha rodinhas. O brinquedo é assim porque se brinca; brinco (brinco -edo). Embora sufixado por -edo, provavelmente relacionado com a madeira, era disso fabricado aquilo com o que se brincava. A palavra brinquedo derivado de brinco, substantivo de vinculum, que significa também pingente, enfeite. Só é brinquedo se se puder levar e ser feito por alguma mão.

Meus pais não marcenaram nenhum brinquedo para mim. Mas fizeram relativo: em nosso tempo, troca-se papel por tudo, até plástico, que fazem brinquedos e que transformei em alegria e recordação. Em lixo também, quando os quebrava, mas era só uma subproduto da minha felicidade. Estrela de verdade para mim é outra. E ser menino não tem idade, assim como brinquedo não tem que ser de loja para criança.

Um comentário:

Vanessa Souza Moraes disse...

As fomes de cá não tem acarajé que mate, rs.

Lindo o que escreveste. Obrigada.

Massa com queijo é sempre bom.

:)