quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

PISANDO ONDE TOCA O ARCOÍRIS

Ouro de tolo é o que não tenho. Muito menos pote cheio deles. Ouro meu é de verdade, e ouro meu não brilha brilhoso, ou é suntuoso, ou pindurricalha por pulsos alheios e pescoços floreados. Ouro meu é servido num pote que busco na saudade, e me enriquece o coração sempre que fico assim, sem tempo ou sem espaço. Ouro meu é pisar onde toca o arcoíris. E é dado sempre que tenho saudade.

Jogue fora este ouro teu, caro amigo. Talvez este não te enriquece tanto como este meu, que lhe é oferecido aos montes. Deves procurá-lo onde ele existe em abundância e é fácil o garimpo, basta um exercício. Mesmo que rocha sólida encontre, garanto que o ouro fica a poucos minutos de uma idéia. E a rocha sempre quebra com o tempo, não com mais nada não.

Tem outro jeito pro garimpo: pega na mão a luz do tempo que já se foi, aproxime e cheira suas vontades: basta compreendê-las. Ponha-as em luz de vela e sopre nela a ausência que te dá. E olhe que dá, bem eu o sei, que tanto as cheiro. Se luz que foi ficou no papel, fica muito mais em carne. Não se sabe porque, mas é na memória que mais forte ficam as fotografias gravadas. Parece que se tornam ouro.

2 comentários:

Pipa. A que sonha. disse...

Então faz assim. Eu vou com você brincar de achar moeda no fim do arco-íris, você topa?



Belíssimo texto.


Te abraço forte.

La Belle de Jour disse...

Olá, adorei seu blog!
seus textos são muito bons. Seguindo!


bom 2010!