terça-feira, 31 de agosto de 2010

A mala que me é pequena



Comprei uma mala pequena, que cabe apenas o que se leva. Nela, não cabe o que se traz de uma viagem, e acho isso triste. Preciso de uma mala maior. Vou com as minhas coisas, sigo com meus pensamentos, mas volto sempre com novas coisas bem perto de mim. Por isso, preciso de espaço. Nesse espaço, que não sei medir ao certo, deve caber novas coisas: amizades, brindes, descontos, presentes pra quem se ama. E como medir isto? Ah... talvez com uma canção? Talvez com um nova camiseta, 100% algodão? Minhas notas de observador argumentam que o que importa, na verdade, não é o quê nem a forma, ou a quantidade de ml´s ou de gramas: talvez seja o que não se pode medir. Sempre pensei que isso são experiências, ou vivência. Seja o que for, logo logo "estarei indo de volta pra casa". E preciso de uma mala maior, pra ter espaço suficiente pra todas as coisas que voltam comigo.   

6 comentários:

Fernão Gomes disse...

E daí, Santiago-Poeta? Como vão as coisas, meu irmão. Você nem imagina quanta saudade, amigo distante. Mas (veja bem) saudade de almas pares, como você. De mais ninguém. Obrigado pelas palavras. Vindas de você, são sempre lindas.
Quanto à questão das malas, não há como conter o valor de suas viagens. Sua alma é incontível.

Valeu, irmão.

Fernão Gomes

Luzia Medeiros disse...

As coisas que não se pode medir levamos num espaço invisível, que pode ser grande ou pequeno, e isso depende de nós, das nossas expectativas. Levamos no coração.
Presentes, souvenirs são bagagem de mão, não carecem lugar maior. Mas entre tantas coisas que vem e vão é melhor repensar...no que realmente se quer carregar.
Abçs!

Luzia Medeiros disse...

As coisas que não se pode medir levamos num espaço invisível, que pode ser grande ou pequeno, e isso depende de nós, das nossas expectativas. Levamos no coração.
Presentes, souvenirs são bagagem de mão, não carecem lugar maior. Mas entre tantas coisas que vem e vão é melhor repensar...no que realmente se quer carregar.
Abçs!

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Santiago, não me diga que também entende de almas?

A minha alma é passional.
É das que esperam o tempo certo para poder florir.


Te abraço com amor.

A propósito, quer provar do Monstro de Mangaba-de-Vez?

Karla Thayse disse...

É tudo tão lindo por aqui!
Encantada...

Tenha uma linda semana!

Beijo

Pérola Anjos disse...

Que encontres uma mala sob medida para carregar o que te move, o que te faz seguir...

Lindo o teu espaço! Lindas as tuas palavras!

Beijos!