sexta-feira, 28 de maio de 2010

Pensando por amanhã

Como vai ser daqui um tempo quando eu trocar o seu nome, quando eu não lembrar dele ou quando eu talvez me esquecer de quem você é? E quando você tiver que me trocar, dar banho, contar as horas para o meu remédio? Como vai ser daqui um tempo quando você andar por mim, experimentar o tempero e levantar para pegar água pra matar minha necessidade? E quando você tiver até mesmo que ver por mim? Como vai ser daqui um tempo quando você me chamar por outro nome e eu nem perceber? E quando você tiver que escolher as roupas por mim e me por aquela amarela, que eu não gosto?

Penso que

vai ser como a primeira vez, quando te conheci. Vai ser uma descoberta por vez, todos os dias. Vai ser ser levado pelos braços de um anjo, ouvir sua voz angelical me lembrando sobre quem eu sou e sobre o que você representa pra mim. Vai ser ter pés sublimes, leves como as nuvens que me lembrarei. Vai ser provar a mais deliciosa comida e saciar a sede como se peregrinasse pelo deserto desde minha velha infância. Vai ser ser outra pessoa, com nome novo desde sempre e um gosto incomparável pela mais linda malha amarela.

7 comentários:

Juliana Santos disse...

Muito lindo o texto, principalmente quando fala do amanhã de um jeito tão docê...

Fernão Gomes disse...

Olá, amigo distante. Como vão as coisas com você? Quando penso naqueles com quem convivi, sinto um tremor em meu coração. Seus últimos textos são bem johnfanteanos, levemente comoventes.

Saudade.

Fernão Gomes

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Santiago


O Monstro de Chocolate se foi. Desta vez, para sempre.

E agora eu te pergunto:

O que vai acontecer comigo quando eu não me lembrar de mais nada?



Te conto. Me contas.

Ver@cidade disse...

O texto é muito lindo e poético, mas... num fala isso não, e eu, como é que vou ficar, quero dizer, onde vou estar então, ah, num fala não!
:-))

Lecão disse...

cara, cade meu carro?
hehehe
nao li seu texto, mas ele é lindo!

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Olha Santiago.

Sua velhinha amada que me perdoe, mas...

"E quando você tiver que escolher as roupas por mim e me por aquela amarela, que eu não gosto?"


Vou pedir sua frase em casamento.


Vc é profundo como não se pode ser.
Ou, como se que tem ser.

Aqui é silêncio na mão e o amor no colo.



Te abraço com a mesma profundidade com que escreves

Carinho na alma.

Alex Wildner disse...

É, Santiago, a única coisa que posso dizer a respeito dessa época futura, é que nada mais vai importar, acho que porque a lembrança vai faltar nesse tempo, e daí pra frente...
Mas deve ser diferente, tudo diferente, quem somos não é mais, quem somos será outro, e quem somos, será só passado, e o passado é algo que não existe, eu, pelo menos, nunca vi um.
Será algo que eu nem posso imaginar. Tudo que conhecemos já não é, e os que gostamos, também não são. Onde eles foram, vamos perguntar, onde foram os que eu me lembro? Mesmo aqueles que permanecem perto, não estarão, serão outros os mesmos que hoje são. Ninguém permanece, acredito nisso, sem tristeza!