quarta-feira, 3 de março de 2010

Ligamentos durante a meia idade e a vida inteira

Para alguns já falei sobre um desacordo: estar "conectado" não significa estar "em conexão". Questionaram isso, dizem ser a mesma coisa, mas talvez porque alguns olhos vejam uma coisa só. Já vivi as duas, sei se tratar mais além. Estar conectado à uma bolsa de soro não significa que eu queira assim estar, mesmo que mantenhamos uma certa conexão, ela, com certeza, não é mútua. Conectado é questão física, mesmo que elétrica, mas conexão é estar espiritual, mesmo que também se repita fisicamente. Entendi também, e não com vivências poucas, que fazer um caminho sozinho não significa fazer uma caminhada só-litária. Mesmo quando tudo que eu tinha dependia apenas de mim, foi qualquer palavra de próximo que me iluminou. Enquanto nossos caminhos são trilhados por nossos passos apenas, nosso bússula aponta pra onde a alma se divide. E aqui pode morar o não compartilhamento. Deixe que se caminhe sozinho, mas nunca só. E, para isso, amigos e colegas que surgem como núvens e se vão como chuvas são importantes. Não porque, no final, você terá vencido um caminho sozinho, mas sim porque, durante todo o percurso, você nunca esteve só. 

2 comentários:

Geso Jr disse...

Passei por aqui, San.

Gostei do e-mail: sozinho sem estar só!

Abs

Pipa. A que sonha. disse...

Santiago:

Compartilho de tuas convicções. Mas todo cuidado é pouco. Porque o que tem de coração ruim aí fora, você não imagina.


Saudades velho

Um abraço.