quinta-feira, 14 de maio de 2015

Teimosia


É que acontece isso todo dia, de o Sol sair. Às vezes a gente dorme como se não fosse existir amanhã, com a certeza do próximo dia não acontecer. Em tempos assim se deseja que o dia vivido fosse apagado, mas seria o mesmo que desejar que o Sol não nascesse. Então a gente tenta aprender com eles: tanto com o dia vivido quanto com a teimosia do Sol. Chega verão todo mundo reclama do calor. Chega o frio e o culpado é ele novamente, por estar desta vez muito distante. E nessa ida e vinda a gente nem nota o tempo passando. Às vezes a gente vive e não percebe, encontra-se no fim. Em tempos assim se deseja ter mais um dia para se viver.

2 comentários:

Daise Lima disse...

Encantada com as suas palavras!
Voltarei sempre!
Beijos!!!

z i r i s disse...

Santi, imagina que numa tarde besta dessas que a gente vive, eu me coloquei sentada no banco do jardim. Fiquei alí sentada sem me mover, por bastante tempo. Pensando nessas coisas todas. Enquanto isso, a gente continuava se movendo, e o sol paradão, e a sombra do telhado cobrindo, pouco a pouco, meu braço por inteiro.

Há tanta magia ainda no ar, que eu poderia sufocar nela.

Beijo grande